A Economia da Estratégia – Besanko [cap 3]

As fronteiras verticais são definidas pelas terceirizações da empresa e estratégias nesse sentido, produzir versus compras(p 124). Ronald Coase, no artigo “The Nature of the Firm”, definiu os custos das transações, que existe muita atividade econômica ocorrendo fora do mercado de preços, que operar no mercado custa tempo e despesa de negociação, escrituração e fazer valer o contrato (p 142). Conceito de nascente e juzente (p 125), troncos descem o rio para chegar a empresas juzentes. Os ativos podem ser adquiridos mediante tres tipos de relacionamentos, mercado, integração vertical, aliança ou joit venture, (de acordo com fluxograma da p 153). A desconfiança é um custo menos tangível, pois aumenta o tempo de elaboração do contrato e pode comprometer a qualidade do produto ou componente(p 152).

Resumo do resumo (p 154)

  • Integração vertical fornecedor-montante à varejista-juzante
  • Cadeia vertical exige atividades de apoio.
  • Problema produzir/comprar com óptica nos custos.
  • O lucro é parte da cadeia, seja da empresa que compra ou da que produz terceirizando, o lucro não está em jogo quando o assunto é terceirização, mas sim custos.
  • Contratar é desvantajoso quando exige um design ou característica criteriosas
  • Deve-se evitar ir ao mercado se corre o risco de vazar informação importante
  • Ir ao mercado tem o custo de transação

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>